Representações de diferentes formas de processamento da experiência de abuso sexual no filme Mistérios da Carne, de Gregg Araki

Por Ivana Ferigolo Melo1

O filme mistérios da carne (2004) expõe, a partir de uma narração marcada retrocessos no tempo cronológico, o período existencial de dois meninos de mais 15 anos que têm suas vidas intensamente marcadas por um acontecimento, por eles vivenciado, aos 8 anos de idade, período em que a criança, segundo Freud, encontra-se na fase de latência,  incorporando leis morais, desenvolvendo atividades intelectuais e artísticas, que têm por finalidade reprimir ou sublimar os impulsos sexuais que se manifestam de várias formas (polimorfismo) entre os 2 e 5 anos de idade.

Leia mais
A escuta psicanalítica e um lugar para a dor

Por Alba Tengnom1

“Suave é a dor que fala. A grande dor é silenciosa.”
(Sêneca) 

O sofrimento psíquico sempre esteve, para mim, relacionado à compreensão intelectual. Conhecer minhas próprias dores e as de outros dependia inteiramente de racionalização e interpretação a partir de teorias e técnicas consolidadas.

Leia mais
A construção do perverso e do neurótico no filme “Mistérios da Carne”

Por Helenice da Conceição  C. Lopes1

A história desenvolve-se em torno de 2 meninos Brian Lackey e Neil McComick que passaram pela mesma experiência de abuso infantil, mas cada um “processou” essa experiência de formas diferentes: Brian Lackey não consegue lembrar-se e Neil McComick não consegue esquecer. Em um processo de busca de Brian, o reencontrar-se com Nil, possibilita que se ajudem a ressignificar o abuso pelo qual passaram juntos.

Leia mais
Um sonho impossível

Por Fernanda Borges Hisaba1

O conteúdo recalcado em nosso inconsciente busca, a todo momento, fazer-se sabido, tornar-se explícito e acessível, de tal forma que, descarregado, possa reduzir a quantidade de energia que nos afeta. O reprimido retorna, via de regra mascarado, nos chistes, nos atos falhos, na transferência, nos sintomas e nos sonhos.

Leia mais
Tecendo a clínica psicanalítica: o percurso freudiano da hipnose à associação livre

Por Alba Tengnom 1

“Cinza, caro amigo, é toda teoria e verde a dourada árvore do saber” (Mefistófeles, em Fausto de Goethe).

Sem o saber clínico construído ao longo da experiência de trabalho de análise de inúmeros pacientes, não seria possível a Freud desenvolver as concepções teóricas psicanalíticas. Teoria e técnica são complementares e se constroem mutuamente na obra freudiana.

Leia mais
Trilhas de Freud: da hipnose à psicanálise e sua aplicação em o caso Dora

Por Ivana Ferigolo Melo 1

Até chegar ao método psicanalítico, Freud trilhou outros percursos, utilizando-se de técnicas muito usadas por Charcot e Breuer. A hipnose, uma das primeiras técnicas manejadas por Freud (já utilizada por Charcot), consistia em colocar o paciente em estado de sono, de consciência reduzida ou amortecida, no intuito de exercer comando sobre ele, de induzi-lo, de sugerir-lhe ideias que, acreditava-se, substituiriam pensamentos patogênicos, impedindo-os de agir.

Leia mais
Faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço

Por Patrícia de Pádua Castro1

Em 1904 [1905] com o artigo O método psicanalítico Freudiano, Freud faz sua primeira exposição sobre a técnica psicanalítica e suas especificidades. Outros três artigos, Sobre psicoterapia (1905 [1904]), Sobre psicanálise selvagem (1910) e Recomendações ao médico para o tratamento psicanalítico (1912), trazem mais esclarecimentos, indicações, contraindicações e recomendações técnicas para exercício do método psicanalítico, além de abordar as diferenças entre a psicanálise Freudiana e as técnicas de sugestão hipnótica de Charcot e método catártico de Breuer.

Leia mais
A sexualidade como etiologia da histeria na Teoria da Sedução - SQN Freud

Por Fernando Alencastro1

SQN são as inicias de "Só Que Não", uma expressão comum na internet, principalmente como hashtag em algumas redes sociais (#SQN). O usuário usa o #sqn para negar totalmente o que acabou de afirmar na sua publicação. Inicialmente, a hashtag #SQN começou a se popularizar no Twitter, sinalizando o tom irônico do tweet. Como dito, o objetivo é justamente dizer o contrário daquilo que o usuário verdadeiramente pensa.

Leia mais
(Des)construções nas teorias psicanalíticas: da Histeria à Sedução

Por Patrícia de Pádua Castro1

Na “Comunicação Preliminar” (1893), Freud começa a buscar o entendimento da etiologia da histeria e sua ligação com a sexualidade. Aponta os sintomas histéricos como a manifestação presente de um trauma ocorrido no passado, sendo que a causa precipitadora deste trauma encontra-se, frequentemente, em eventos ocorridos na infância.

Leia mais
A Teoria da Sedução e seu equívoco

Por Ivana Ferigolo Melo1

No texto comunicação preliminar, Freud, partindo das teorias de Breuer e de Janet, relata suas primeiras constatações teóricas sobre as causas (etiologia) da histeria e expõe algumas técnicas de tratamento que utilizou para tratar essa enfermidade.

Leia mais