Entre homens, ratos, lobos e lobisomens: Casos clínicos de Freud

Por  Camila Avila1

"O gato preto cruzou a estrada/ Passou por debaixo da escada/ E lá no fundo azul/ Na noite da floresta/ A lua iluminou/ A dança, a roda, a festa.../ Vira! Vira! Vira!/ Vira! Vira!/ Vira Homem/ Vira! Vira!/ Vira! Vira! Lobisomem.../ Bailam corujas e pirilampos/ Entre os sacis e as fadas/ E lá no fundo azul/ Na noite da floresta/ A lua iluminou/ A dança, a roda, a festa.../ Bailam corujas e pirilampos/ Entre os sacis e as fadas"/ (João Ricardo e Luli)

Leia mais
O Complexo de Édipo para Freud e Klein: suas implicações

Por  Raquel C. R. Mariano1

A leitura do ser humano pode ser feita por diferentes ópticas, isso se aplicou tanto para Freud quanto para Klein, ambos psicanalistas de fundamental importância e de grande contribuição para o desenvolvimento da psicanálise. Freud, acreditava que o Complexo de Édipo tinha início próximo dos 4-5 anos, que o super-ego era herdeiro desse complexo e o núcleo do seu trabalho era fundamentado na sexualidade infantil, enquanto para Melanie Klein, o Complexo de Édipo tinha início muito mais cedo, por volta de 1 ano e 6 meses, 2 anos, o núcleo do seu trabalho era genuinamente a inveja e o super-ego já existia muito antes que o Freudiano.

Leia mais
Sexualidade infantil na psicanálise

Por  Willian Fausto Lourenço1

No início da teoria metapsicológica de abordagem do inconsciente (a primeira tópica), Freud compreendia o aparato psíquico conformado por três áreas topográficas (modelo territorial): 1. Consciência: lugar de memórias e emoções atuais, onde se “toma” decisões estando em contato direto com o mundo externo; 2. pré-consciente: lugar de conteúdos ora conscientes ora inconscientes, como por exemplo muitas das memórias que mencionamos antes, pois só se fará consciente quando necessário for e logo voltará a ser inconsciente; e 3. Inconsciente: a princípio, o que não é capaz de ser consciente. 

Leia mais
Ratos, Lobos e Psicanálise

Por  Willian Fausto Lourenço1

A partir da descoberta do inconsciente e sua influência na vida psíquica e comportamental do sujeito, Freud desenvolve teoria e técnica para conhecer este universo desconhecido e chamou essa abordagem de psicanálise. Para Freud, existe um conteúdo manifesto e outro latente, esse último era o que mais o interessava, porém, era exposto pelo paciente de maneira disfarçada (sonhos, ato falho, sintomas, transferências, chistes) e provinha de vivências reprimidas pelo sujeito.

Leia mais
Canal do Youtube: Livraria Martins Fontes Paulista

A história da Livraria Martins Fontes começou no ano de 1960, na cidade de Santos, quando três irmãos se uniram para colocar em prática o ideal de vender livros. Ao longo do tempo, a livraria de Santos mudou de endereço, cresceu e se modernizou, mas mantém até hoje o atendimento cuidadoso e a grande variedade de títulos, desde a fundação.

Leia mais
Por que Klein?

Por Glaudston Cordeiro de Lima1

Escrever sobre os impactos causados ao ler uma parte da clínica kleiniana é, para mim, acompanhar a originalidade e expansão dos seus conceitos. As pessoas que estudaram sua obra, psicanalistas ou não, são de acordo que é uma obra profícua, ou seja, que contém sementes de desenvolvimento de vários pensamentos.

Leia mais
Sobre o cuidado

Por  Dr. Emir Tomazelli1

Nesses 45 anos de clínica, não é a primeira vez que observo a íntima relação que se estabelece entre a morte e o amansamento da experiência interna de desespero e de rompimento afetivo. Mais uma vez ela, a morte, faz seu apontamento e com ele faz seu bem, re-despertando o amor em nós, pela via da ameaça da vida.

Leia mais
Uma experiência com Melanie Klein

Por Fernanda Borges Hisaba1

Entrar em contato com as ideias de Melanie Klein tem sido algo fascinante. Perturbador, a um tempo, nos faz mergulhar a fundo em nossas próprias análises pessoais, buscando compreender como se processaram nossas vivências mais arcaicas, que ansiedades nos atravessam, que mecanismos de defesa desenvolvemos, como oscilamos entre mais ou menos integrados, como nos relacionamos com nossos objetos, como nos portamos diante do nosso horror à dependência do outro.

Leia mais