Estruturas organizacionais da sexualidade, segundo Freud

Por  Raquel Casonato Rodrigues Mariano1

É sabido que no desenvolvimento de crianças, as noções referentes ao que é um genital, o que é seu, o que é do outro, o igual e o diferente começam a se formar, entretanto, as maiores implicações dessas diferenças e de suas vivencias, vão ser consolidadas no Complexo de Édipo.

Leia mais
Quem não se comunica se trumbica

Por Jucimary Silveira1

Já dizia Chacrinha o Velho Guerreiro:
“Quem não se Comunica se Trumbica”
A comunicação é tida como um dos grandes motivos de desentendimento entre as pessoas; e deve ser mesmo.
Será que a gente simplifica demais a comunicação e simplificando a gente complica? Será que a gente pensa que comunicar é só falar?

Leia mais
Fui seduzida na infância... Realidade ou fantasia?

Por Francisco César Pereira Retrão1

Freud como médico e pesquisador da sua época, tinha sede pela investigação focada no que estava além dos sintomas físicos das doenças. Diante disso lançou mão de investigações relacionadas a uma inquietação: os sintomas perceptíveis em consultório têm uma gênese que não é “visível” a olho nu.

Leia mais
Análise a três: uma visão crítica sobre o trabalho técnico de Freud no caso Dora

Por Alan Araújo da Costa1

Analisar o trabalho terapêutico desenvolvido por Freud no caso Dora sempre será bastante curioso. Se passando no início da estruturação da técnica psicanalítica, logo após abandonar a hipnose e começando a utilizar a livre associação, percebemos com riqueza de detalhes o desenvolvimento do seu trabalho como terapeuta, os seus deslizes e a base da ideia daquilo que viria a se tornar a técnica clínica da psicanálise.

Leia mais
O pulso ainda pulsa: a pulsão e suas vicissitudes

Por Camila Ferreira de Avila1

... O pulso ainda pulsa
Hepatite, escarlatina, estupidez, paralisia
Toxoplasmose, sarampo, esquizofrenia
Ulcera, trombose, coqueluche, hipocondria
Sífilis, ciúmes, asma, cleptomania
O corpo ainda é pouco...
(O pulso - Marcelo Fromer / Antonio Bellotto / Arnaldo Filho)

Leia mais
Caso Dora: Seria Freud um culpado inocente?

Por Camila Ferreira de Avila1

“Este histórico de apenas três meses é abarcável e memoriável; mas seus resultados permaneceram incompletos em mais de um ponto de vista.... Desse modo, posso oferecer aqui apenas um fragmento de uma análise”. (Freud, 1905)

Leia mais