Freud: o Sherlock Holmes das neuroses

Por Patrícia de Pádua Castro 1

Um “crime” ocultado pelo autor, um detetive obcecado em buscar os vestígios a partir dos efeitos para as causas, empregando a sua incrível habilidade de observação e dedução tem a capacidade de desvendar casos aparentemente insolúveis e revelar todo o mistério envolvido. Poderia ser essa a sinopse de um filme ou um livro de Sherlock Holmes, ou ainda, a descrição da prática analítica de Freud relatada em um de seus casos clínicos: O caso Dora.

Administrador
Leia mais
O Caso Dora: Ponto Cego

Por Fernanda Borges Hisaba1

O ano é 1900.
Freud havia migrado definitivamente para o campo da psicologia e estava sedimentando e expandindo seus conhecimentos; tinha grandes expectativas a respeito da publicação de sua “Obra do Século”, a Interpretação dos Sonhos. Trazia angústias também, remanescentes da rejeição pública e contundente que experimentara quando da apresentação de sua Teoria da Sedução para seu ilustrado público. Suas ideias inicialmente causaram repudia, enquanto a base de sua teoria não se sustentava. Ele precisou rever a aplicabilidade de suas teorias e, posteriormente, de sua técnica.

Administrador
Leia mais
“Mistérios da carne” e das psicopatologias neurose e perversão

Por Patrícia de Pádua Castro 1

O filme “Mistérios da carne” relata a história de dois jovens, Brian Lackey e Neil McComick, que jogavam em um mesmo time de baseball e aos 8 anos de idade foram abusados sexualmente pelo o seu treinador. A história aborda como essa experiência vivenciada na infância influenciou na personalidade de ambos os jovens de maneiras distintas e a busca de ambos para tentar compreendê-la.

Administrador
Leia mais
Diga-me com o que sonhas e eu te direi o que desejas!

Por Patrícia de Pádua Castro 1

O sonho sob a ótica psicanalítica é a realização de um desejo que se encontra reprimido, recalcado. O material utilizado para a formação do sonho encontra-se no inconsciente, no pensamento inconsciente, onírico, e é composto pelo recalcado - conteúdo insuportável à consciência - e também pelo não recalcado, que são as reminiscências do dia-a-dia, lembranças de lugares, pessoas, leituras, entre outros.

Administrador
Leia mais
Representações de diferentes formas de processamento da experiência de abuso sexual no filme Mistérios da Carne, de Gregg Araki

Por Ivana Ferigolo Melo1

O filme mistérios da carne (2004) expõe, a partir de uma narração marcada retrocessos no tempo cronológico, o período existencial de dois meninos de mais 15 anos que têm suas vidas intensamente marcadas por um acontecimento, por eles vivenciado, aos 8 anos de idade, período em que a criança, segundo Freud, encontra-se na fase de latência,  incorporando leis morais, desenvolvendo atividades intelectuais e artísticas, que têm por finalidade reprimir ou sublimar os impulsos sexuais que se manifestam de várias formas (polimorfismo) entre os 2 e 5 anos de idade.

Administrador
Leia mais
A escuta psicanalítica e um lugar para a dor

Por Alba Tengnom1

“Suave é a dor que fala. A grande dor é silenciosa.”
(Sêneca) 

O sofrimento psíquico sempre esteve, para mim, relacionado à compreensão intelectual. Conhecer minhas próprias dores e as de outros dependia inteiramente de racionalização e interpretação a partir de teorias e técnicas consolidadas.

Administrador
Leia mais
A construção do perverso e do neurótico no filme “Mistérios da Carne”

Por Helenice da Conceição  C. Lopes1

A história desenvolve-se em torno de 2 meninos Brian Lackey e Neil McComick que passaram pela mesma experiência de abuso infantil, mas cada um “processou” essa experiência de formas diferentes: Brian Lackey não consegue lembrar-se e Neil McComick não consegue esquecer. Em um processo de busca de Brian, o reencontrar-se com Nil, possibilita que se ajudem a ressignificar o abuso pelo qual passaram juntos.

Administrador
Leia mais
Um sonho impossível

Por Fernanda Borges Hisaba1

O conteúdo recalcado em nosso inconsciente busca, a todo momento, fazer-se sabido, tornar-se explícito e acessível, de tal forma que, descarregado, possa reduzir a quantidade de energia que nos afeta. O reprimido retorna, via de regra mascarado, nos chistes, nos atos falhos, na transferência, nos sintomas e nos sonhos.

Administrador
Leia mais
Tecendo a clínica psicanalítica: o percurso freudiano da hipnose à associação livre

Por Alba Tengnom 1

“Cinza, caro amigo, é toda teoria e verde a dourada árvore do saber” (Mefistófeles, em Fausto de Goethe).

Sem o saber clínico construído ao longo da experiência de trabalho de análise de inúmeros pacientes, não seria possível a Freud desenvolver as concepções teóricas psicanalíticas. Teoria e técnica são complementares e se constroem mutuamente na obra freudiana.

Administrador
Leia mais