Os mortos nas mentes dos vivos

Por Marcelo Moya 1

A homenagem em memória dos mortos, também conhecido como Dia de Finados, teve seu início no ocidente por iniciativa do cristianismo romano no segundo século, e fontes históricas afirmam que foi somente em meados do século XIII que a data foi oficialmente instituída nas pautas litúrgicas de Roma.

Leia mais
O que é uma criança?

Por Marcelo Moya 1

Se levarmos em consideração as fases de desenvolvimento de um ser humano, podemos definir uma criança como uma pessoa de pouca idade, que compreende a fase de recém-nascido até a puberdade com suas transformações físicas, biológicas e psicológicas. No Brasil, é considerado criança até os 12 anos, embora algumas convenções internacionais definem o infante como todo menor de 18 anos.

Leia mais
A ‘impossível’ profissão do educador

Por Marcelo Moya 1

Dia 15 de Outubro comemora-se o Dia do Professor. A data nos remete aos tempos do Império quando D. Pedro I, em homenagem à professora Santa Tereza de Ávila, decretou o ensino fundamental no Brasil (na época as Escolas das Primeiras Letras), estimulando o surgimento de escolas nas províncias mais distantes, acompanhado de uma série de normativas e currículos. Aos meninos, a leitura, escrita, cálculos e álgebra. Às meninas, restou-lhes o ensino da economia e das prendas domésticas.

Leia mais
Melanie Klein e o Édipo precoce

Por Adriana Silveira1

O complexo de Édipo é central para os trabalhos desenvolvidos por Freud, como sabemos. Freud acreditava que os complexos de Édipo e de castração teriam início na fase fálica, momento em que os genitais são o centro da libido infantil.
Haveria aí a descoberta, pelo menino, do pênis, bem como da ausência do pênis na menina, o que levaria à castração e ao Édipo.

Leia mais
O trabalho do sonho e a sua importância para a psicanálise

Por  Wagner Andreo Alledo Filho1

“Sonhar é acordar-se para dentro...” 
(Mario Quintana)

Acordar-se para dentro, dar à luz o obscuro, conhecer a si mesmo... Mario Quintana, poeta gaúcho, reconhecido pela profundidade dos seus poemas e perfeição técnica, o “poeta das coisas simples”, propõe uma reflexão a respeito do sonho:

Leia mais
Qual a importância de um Pai?

Por Marcelo Moya 1

"Não me cabe conceber nenhuma necessidade tão importante durante a infância de uma pessoa que a necessidade de sentir-se protegido por um pai." (Sigmund Freud)

A nossa sociedade vem passando por constantes transformações e modificando as configurações das famílias através de novos modelos, mas a figura do pai nunca deixará de ser essencial, pois o seu papel é fundamental e complementar ao lado da mãe no percurso das dinâmicas familiares.

Leia mais
O equívoco da Teoria da Sedução

Por  Indira Bolsoni Pinheiro1

No início dos seus trabalhos com a histeria, Freud se utilizava do método hipnótico de Charcot e do método catártico de Breuer, que trazia as memórias que ficavam reprimidas e que causavam os sintomas físicos nas pessoas histéricas. Para esses estudiosos, na época, as lembranças trazidas pelas pacientes, pois a grande maioria dos experimentos foi feito com mulheres do Hospital Salpetriere, eram a reprodução exata do que havia acontecido em suas vidas.

Leia mais
A pulsão e as flores

Por  Jose Claudio de Nazareth Gonçalves 1

Na década de 80 a televisão exibia um comercial de desodorante que terminava com o slogan “se algum desconhecido te oferecer flores, isso é Impulse", onde um homem, movido por um impulso causado pelo instinto despertado pelo olfato, roubava flores de um vendedor e ia correndo oferecer à mulher que passou por ele usando o tal desodorante. 

Leia mais